Publicações Digitais

O Inumano e DAS UNHEIMLICHE [i]

Inezinha Brandão Lied*

                                              

                                               "Sei que o mal, que a capacidade para fazer o mal, é um fato universal próprio da humanidade inteira".

François Cheng. Cinco meditaciones  sobre la belleza.

 

Quero dizer de  minha satisfação em estar hoje aqui participando desta XIV Ciranda Psicanálise e Arte, e agradeço à Tereza Nazar o amável convite.

Tocada pela arte pessoalmente, pois como filha de artista plástica e poeta, vi, convivi intensamente desde pequena  em meio a telas, tintas, pincéis, gravuras, livros de arte,  muitos encontros  regados à poesia e música em minha casa que se prolongavam até quase o amanhecer. Pois bem, tudo isso não me deixava indiferente, ao contrário essa efervescência me fascinava. Não sou uma estudiosa da arte, apenas uma admiradora e o fascínio que na infância e adolescência a arte me despertava ainda está vivo em mim. Como psicanalista, a articulação Psicanálise e Arte tem me interessado há mais de duas décadas, é portanto desde este lugar - de uma psicanalista atravessada pela arte - que proponho as palavras que seguirão. O tema que nos reúne nesta XIV Ciranda Psicanálise e Arte se apresenta para mim como uma frutífera ocasião para trabalhar o campo denominado por  Lacan  de psicanálise em extensão.

Inicio então com algumas palavras sobre o campo da extensão. Na extensão não se trata de uma divulgação ou difusão da psicanálise, que com frequência, corre o risco de uma vulgarização de nossa disciplina psicanalítica quando  sob a pretensão de tornar os conceitos mais "acessíveis" e "palatáveis" ao grande público, e na ânsia de simplificações perde o rigor  e a precisão.

O campo da extensão procura trabalhar noções psicanalíticas para com elas fecundar um campo situado mais além do divã, além das paredes do consultório, introduzindo-se em problemáticas de outras disciplinas, de modo que seja  possível recolocar questões, traçar novas fronteiras, enriquecer o corpus conceitual.  Esta maneira de trabalhar gera um movimento de abertura fecunda no âmbito da intensão, sendo este - o campo da intensão -  reservado para a prática efetiva da cura analítica.

Assim Lacan diferencia os dois campos - psicanálise em intensão e psicanálise em extensão (LACAN, 1967/2003)  mas também os coloca em continuidade na figura topológica conhecida como banda de Moebius. Entre idas e voltas, vale dizer ainda que ao trabalhar com a extensão, a psicanálise se fertiliza em e com outras disciplinas com as quais tenha alguma conexão -  a arte, indiscutivelmente, é uma destas disciplinas -fertilizando também o seu campo próprio, o da cura analítica.

Pois bem, tendo em vista estas preliminares sobre a extensão proponho pensar o Inumano em sua articulação com Das Unheimliche [ii]  e a Arte.

Freud nos brinda com o  belíssimo texto Das Unheimliche de 1919, marcando ali a importância do campo da estética para os psicanalistas que até aquele momento demonstravam pouco interesse por esta disciplina. O termo Estética tem origem grega – aisthésis – que significa sensibilidade e nos remete a "qualidades do sentir". Resgatando a origem etimológica da palavra e a consequente ampliação do conceito, o pai da psicanálise convoca os psicanalistas a se ocuparem com o campo da estética. Freud retoma a definição de estética como tudo aquilo que diz respeito aos sentidos. Não se restringe ao que é belo como sua única manifestação, mas também ao que não é considerado belo, ao que quebra os padrões da beleza apolínea e harmônica da justa proporção, chegando  inclusive a ser sinistro, podendo provocar  horror.

Sustentado por amplo e rigoroso estudo do vocábulo Unheimliche Freud chama atenção para uma vertente da estética até então negligenciada pela literatura especializada - a categoria do sinistro. Quase nada se encontra sobre esta categoria nos tratados de estética por que diz Freud "preferem preocupar-se com o belo, atraente e sublime - isto é, com sentimentos de natureza positiva - e com circunstâncias e  objetos que os trazem à tona, mais do que com os sentimentos opostos, de repulsa e aflição" (FREUD, 1919/1972: p.276).  Unheimliche é algo inquietante[iii], é sentir-se incômodo.

Em alemão Un é um prefixo de negação. Heimlich é uma palavra cujo significado se desenvolve na direção da ambivalência, até que coincide com o seu oposto - Unheimliche - misterioso, oculto e secreto. Interessa ao mestre vienense investigar sob que condições aquilo que é familiar pode tornar-se sinistro. O estranho é aquela categoria do assustador que remete ao que é conhecido, velho, e há muito familiar. Diz Freud,            "...o animismo, a magia e a bruxaria, a onipotência dos pensamentos, a atitude do homem para com a morte, a repetição involuntária e o complexo de castração compreendem praticamente todos os fatores que transformam algo assustador em algo estranho" (FREUD, 1919/1972: p.303).

Freud toma de Schelling a definição que lhe permite dizer o que é Unheimliche: "O que deveria ter permanecido oculto mas veio à luz" (FRUD, 1919/1972: p.281). Rilke, por sua vez afirma que "o belo é o começo do terrível que podemos suportar" (citado por TRÍAS, 1992: p.17) O sinistro é então condição e limite da beleza.

Condição e limite também assinalados por Lacan em Kant com Sade ao definir a beleza como "barreira extrema para proibir o acesso a um horror fundamental" (LACAN,  1962/1998: p.787) A beleza é o véu último que obstaculiza nosso confronto com o horrível que está por trás do véu. E o que há atrás do véu? O nada que angustia, o abismo infinito e inominado, inefável em sua fronteira impossível. Quando o véu se rompe, irrompe o que deveria ter ficado oculto.

Impossível  suportar. E por quê? Porque quando cai o véu caem as ilusões e o que aparece é o mais terrível que há em cada um de nós chamados de humanos.  Seguindo o que nos ensina Freud, o inumano, o desumano ou tudo aquilo que seria condenável pelo humano,  habita  em nós e está ali, podendo  manifestar-se, desvelar-se. Ou para dizer direta e brutalmente - o humano não dispensa o inumano em sua condição de estrutura; em sua constituição psíquica.  Os campos de concentração e de extermínio, assim como as guerras são os mais terríveis exemplos de como o inumano pode se agigantar sobre o humano, cometendo atrocidades e barbáries. Como nos diz Freud em O Mal Estar na Civilização, os homens não são criaturas gentis, mas ao contrário, são criaturas dotadas de uma poderosa quota de agressividade (FREUD, 1930/1972). No referido texto, o pai da psicanálise trabalhou o que chamou de narcisismo das pequenas diferenças (FREUD, 1930/1972: p.136),  conceito este que se articula com o complexo de castração e com a hostilidade. Esta última, vigente em cada laço entre falantes põe em questão os sentimentos solidários. Freud afirma que a hostilidade se constitui como o fator que perturba nosso relacionamento com o outro, nosso próximo. É, pois, nosso relacionamento com o outro a mais poderosa fonte de sofrimento.

 

O sinistro portador de mistérios, enigmas e segredos não domesticáveis pela Razão,  sugere a presentificação do retorno de uma égide fantasmática-desiderativa imbuída de temores primordiais,  (HARARI, 1998).

Podemos dizer com o poeta, crítico de arte e ensaísta argentino Squirru que "O sinistro se nutre das zonas obscuras e tenebrosas de nosso ser" (Squirru, citado por HARARI, 1998: p.29).  Então, estamos falando de algo familiar que chegou a ser estranho e inóspito, algo que ao revelar-se mostra sua face sinistra precisamente por ser muito familiar e íntimo.

Mas o que  isto tem a ver com a arte? Pois bem, a obra de arte é provocativa, pode  provocar a surpresa, o inesperado, o horror, o asco. Podemos dizer que a arte confere potencia ao caráter bifronte de Unheimliche :  ao mesmo tempo que revela, vela o mistério; sugere e o mostra ambiguamente. Neste sentido  a arte é fetichista como diz Eugênio Trías. Uma das condições estéticas que fazem com que uma obra de arte seja bela é sua capacidade de revelar e de esconder algo sinistro. Para Trías, a arte  transforma e transfigura esses desejos secretos, proibidos, eternamente temidos dando-lhes uma forma, uma figura, mantendo deles o que tem de vitalidade. (TRÍAS, 1992: p.42).

Afinal a arte tem um lugar de provocação, de surpresa, de protesto, e oferece um gozo estético, ao mostrar de maneira plástica , a miséria humana, em suas mais variadas formas. "A arte é necessária para que o homem se torne capaz de conhecer e mudar o mundo. Mas a arte também é necessária em virtude da magia que lhe é inerente". (FISCHER, 1977: p.20)

Para  não incorrer no pessimismo generalizado e contagiante que invade nossa vida cotidiana nos tempos de hoje,  podemos verificar que em meio aos dissabores e agruras da vida, respondemos com mostras de solidariedade, de coesão e de reconhecimento ao outro,   ainda existem e seguirão existindo. Por isso a atualidade da afirmação freudiana "tudo o que estimula o crescimento da civilização trabalha simultaneamente contra a guerra" (FREUD, 1932/1972: p.259), ao que poderíamos dizer contra o inumano/desumano que há em todos nós.  E é justamente aqui que a arte  tem lugar fundamental.

Finalizo este breve texto com a impactante poesia de Liana Maya d'Ávila Brandão[iv] intitulada "Homem Formiga" (LIANA, 1984: p.167-171). A esta artista múltipla  o meu reconhecimento por ter me aberto com simplicidade, vigor e vida os caminhos da arte e da sensibilidade, uma ímpar visão de mundo .

"Quando o homem

Na sua intenção macabra

O espaço do tempo e do infinito dominar

Pobres das gentes porque gentes já não seremos.

No tempo congelados,

Séculos passados,

Mil anos-luz iluminados

Só restarão para nós

Cupins abandonados.

 

Homem, acorda

E vê que teu lugar é agora

No século que passa

Trabalha

Procura

Vence

Mas com a mente d'alma infinita

E com os pés na terra.

 

Sonhar é bom

Mas é terrível o acordar ...

Branca lua de ruas nevoentas

Brancos sóis clareando o infinito

Como coisas perdidas então

São destroços do nosso progresso

Que nos anos-luz se queimaram ...

É gente que agora é formiga

Olho que agora é barriga

E a alma imortal onde está?

 

Séculos - séculos - séculos

Milhões de anos, nada mais

Porque, se congelados formos

Para a glória da ciência,

Para orgulho das nações,

N'um milenar futuro

Quando o gelo da mumificação

Dissolvido for nas luzes de outros tempos,

Nós teremos já,

Alma invisível e eterna,

 

Voando pelo espaço afora

Em busca da libertação.

Só restará então,

No sarcófago terrível da ciência

A FORMIGA

Com seus exércitos, sim

Mas, sem domínio

Diante da força

Da geração dos DEUSES ESPACIAIS"

(Liana Brandão. Marés do Tempo.)

REFERÊNCIAS BIBILIOGRÁFICAS

 

  1. LACAN, J. Proposição 9 de Outubro de 1967. [1967/2003] Em Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
  2. FREUD, S. [1919] Das Unheimliche. Obras Completas. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago. 1976. v.XVII
  3. TRÍAS, E. [1992] Lo bello y lo sinistro. Barcelona: Editorial Ariel. 1992. 2ª edição.
  4. LACAN, J. [1962/1998] Kant com Sade. Em Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
  5. HARARI, R. Polifonias.[1998]  Polifonias. Del Arte en psicoanálisis. Barcelona: Ediciones del Serbal.
  6. HARARI, R. [1994] Psicoanálisis in-mundo. Buenos Aires: Ediciones Kargieman.
  7. FREUD, S. [1933] Por que a guerra? Obras Completas. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago.1976. v. XXII.
  8. FREUD, S. [1930] O mal-estar na civilização. Obras Completas. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago. 1976. v. XXI.
  9. FREUD, S. [1927] O Futuro de uma ilusão. Obras Completas. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago. 1976. v. XXI
  10. GONÇALVES, D. [2003] Ser ou não ser arte. Editado pelo autor. Porto Alegre.
  11. CHENG, F. [2007] Cinco meditaciones sobre la belleza. Madri: Ediciones Siruela. p.18.
  12. FISCHER, E. [1977] A Necessidade da Arte. Rio de Janeiro: Zahar. 6ª edição.

BRANDÃO, L. [1984] Marés do Tempo. Porto Alegre: Editora Bra

 

NOTAS

[i] O presente texto é uma versão modificada do texto apresentado por ocasião do Colóquio Internacional de Convergencia  "O Estrangeiro e Das Unheimliche",  que se realizou em  Florianópolis, em 15/06/16.

[ii] Em português Das Unheimliche foi traduzido por O Estranho,  optamos por manter no texto o termo  alemão a fim de preservar  a riqueza e complexidade do termo utilizado por Freud.

[iii] Em francês Unheimliche foi traduzido por inquietant etrangeté  (inquietante estranheza).

[iv] Liana Maya d'Ávila Brandão, faleceu aos 94 anos em fevereiro de 2016. Inquieta e irreverente, deixou em sua obra as marcas de sua inquietação com a vida, com as desigualdades, com o feminino entre tantos outros temas de seus quadros e de seus 7 livros, e muitos outros escritos. Ver mais sobre a artista em: TV AL (Assembleia Legislativa de Santa Catarina). Isabela Althoff.  Palavra Aberta com Liana Brandão. YouTube 10/12/20013. Disponível em agenciaal.alesc.sc.gov.br › Início › Programas.

Maiêutica Florianópolis. Liana Brandão -In Memorian (Psicanálise e Arte). YouTube 15/11/2016. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=UMNYkKJbKF8.

Compartilhe nas mídias sociais:

Notícias

Ver todas as notícias
ESCOLA LACANIANA DE PSICANÁLISE - RJ

21 2294-9336
Av. Ataulfo de Paiva, 255 / 206
Leblon - Rio de Janeiro, RJ
CEP.: 22440-032